Estudos avançados em Políticas Públicas, Trabalho e Processos Formativo-Educacionais

Código: PGPI-0039
Curso: Mestrado em Psicologia Institucional
Créditos: 4
Carga horária: 60
Ementa: Conceito de Política. Políticas públicas, políticas de governo, políticas de estado. Conceito de formação e aprendizagem. Políticas educacionais, institucionalismo e Psicologia. Politicas de aprendizagem. Conceito de atividade e gestão. Trabalho, gestão e institucionalismo. Psicologia e políticas públicas.
Bibliografia: ALTOÉ, S. (Org.). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004.
BAKHTIN, Ml. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BARROS, M. E. B.; LOUZADA, A. P. F.; OSÓRIO, C. Clínica da atividade: dos conceitos às apropriações no Brasil. In: BENDASSOLI, P. F.; SOBOL, L. A. Clínicas do trabalho. São Paulo: Atlas, 2010.
BARROS, M. E. B. (2007). Trabalhar: usar de si – sair de si. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 11(22), 355-357, mai/ago.
BARROS, M. E. B., Guedes, C. R.& Roza, M. M. (2009). O apoio institucional como método de análise-intervenção no âmbito das políticas públicas de saúde: a experiência em um hospital geral. Revista Ciência e Saúde Coletiva online. Disponível em: <www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/artigo_int.php?id_artigo=4378>.
BENEVIDES, R. & PASSOS, E. (2005b). A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 10(3), 561-571, jul./set.
BENEVIDES, R. & PASSOS, E. 2009). Por uma política de narratividade. In: E. Passos, V. Kastrup & L. Escóssia (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade (pp.131-49). Porto Alegre: Sulina.
Campos, G. W. de S.(2000). Um método para análise e cogestão de coletivos. São Paulo: Hucitec.
ESCÓSSIA, L. (2009). O coletivo como plano de criação na saúde pública. Interface - Comunic., Saúde, Educ., 13(1), 689-94.
FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2013.
GOTARDO, S. M. (2001) Políticas de comunidade nos terrenos da educação. Dissertação de mestrado. PPGPSI. UFES.
KAFKA, F. Comunidade. In: ______. Narrativas do Espólio. (pp. 112-113). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
CLOT, Y. Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte:Fabrefactum. 2010
CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006
CLOT, Y. A psicologia do trabalho na França e a perspectiva da clínica da atividade. Conferência proferida pelo Prof. Yves Clot no evento realizado na Universidade Federal Fluminense, no Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, 18 set. 2007.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo: Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed 34, 2016.
DELEUZE, G. La Conception de la différence chez Bergson. In: DELEUZE, G. Les études bergsoniennnes. Paris: Albin Michel. 1956. p. 77-112.
LOURAU, R. Implicação e sobreimplicação. In: ALTOÉ, S. (Org.). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004.
ODDONE, I.; RE, A.; BRIANTE, G. Redécouvrir l’expérience ouvrière: vers une autre psychologie du travail? Paris: Messidor, 1981.
PASSOS, E.; EIRADO, A. Cartografia como dissolução do ponto de vista do observador. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009. p 109-130.
ROMANO, R. (2005). O público e o privado. In: Heiman, L. S. Ibanhez, L. C. & Barboza, R. (Org.). O público e o privado na saúde (pp. 146-162). São Paulo: Hucitec: OPAS: IDRC.
SADER, E. S. (2005). O público, o estatal e o privado. In: Heiman, L. S. Ibanhez, L. C. e Barboza, R. (Org.). O público e o privado na saúde. São Paulo: Hucitec: OPAS: IDRC.
SANTOS, M. (2000). Território e sociedade. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.
SCHWARTZ, Y. Travail et gestion: niveaux, critéres, instances. Revue Performances Humaines et Technicque, Paris: Octares, n. hors-série, septembre, p. 10-20, 2003.
VARELA, F. O círculo criativo: esboço histórico-natural da reflexividade. In WATZLAWICK, P. A realidade inventada. Campinas: Editorial PSY II, 1994. p. 302-316
VEYNE, P. Como se escreve a história, Foucault revoluciona a história. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910